Copa do Nordeste

Altos bate o Piauí e se firma no G-4

Placar deixa Jacaré na terceira colocação e complica situação do Enxuga Rato.

Créditos: Luis Júnior/ A. A. Altos

Piauí e Altos fizeram uma partida animadíssima na noite desta quarta-feira (6), no Lindolfo Monteiro. Em duelo válido pela terceira rodada, atrasado por causa dos jogos do Alviverde na Copa do Nordeste e Copa do Brasil, o Jacaré derrotou o Rubro-Anil por 4 a 2 e pulou para a terceira colocação do estadual, cada vez mais firme no G-4. Uma olhada no placar pode parecer que o jogo fácil. Não foi não! Humberto fez dois, Ramon Baiano e Wesley marcaram. Lucas Bacelar e Nil, de pênalti, descontaram.

O Enxuga Rato soube jogar contra o Altos no primeiro tempo. Amarrou bem o rival dentro do campo rubro-anil e saiu com contra-ataques com Zezinho e Nil. Assim, teve duas chances claríssimas de abrir o placar: uma com Jorge, aos 14, e outra com Bacelar, aos 25, que deixou Leone no chão, mas isolou de forma incrível. O Jacaré teve o domínio territorial, controlou a bola como quis, mas não mostrou agilidade quando avançou à área de Jefferson. Com Tiaguinho na ponta, essencial nos cruzamentos, levou perigo, mas um Raphael Freitas sumido foi destaque. Quando, enfim, colocou velocidade e acertou os passes, marcou o gol com Humberto, aos 37. Quatro minutos depois, contudo, um erro crasso do lateral-esquerdo Wesley provocou o empate. Wesley tentou tirar a bola, se embananou, e ela caiu nos pés de Lucas Bacelar, que não perdoou.

O torcedor acompanhou um segundo tempo de mais correria e times mais soltos. A entrada de Breno no Piauí deixou o time bem mais leve, dificultando a vida do Jacaré. Humberto, destaque da partida, fez o segundo dele após acreditar até o fim da jogada. Mesmo perdendo, a equipe de Marcão, comandada pelo auxiliar Kenedy Gomes, não se acovardou e mirou o empate. Maurílio Silva, porém, foi feliz ao colocar Júnior Paraíba no meio (no lugar de Netinho). O Alviverde passou a ser mais ofensivo e veio dele o passe para Wesley ampliar, aos 18, se redimindo da falha no gol do PEC. Quando o placar parecia na mão, um valente PEC se arriscou com tudo. Nil, de pênalti, fez 3 a 2. O resultado motivou ainda mais o Rubro-Anil, que pressionou. Na parte final, o gol da tranquilidade e da redenção. Ramon Baiano, que havia cometido o pênalti, subiu de cabeça para fazer o quarto.

Outras Notícias


TODAS NOTÍCIAS